Lisboa e Vale do Tejo  - Fortress of Berlengas

Lisboa e Vale do Tejo - Fortress of Berlengas

Fort of São João Baptista das Berlengas

Ilha da Berlenga Grande
Peniche - Leiria

(PT) O Forte de São João Baptista localizado na Ilha da Berlenga, foi mandado edificar em 1651, por ordem de D. João IV, e concluído em 1656.
Construído com a finalidade de impedir a ocupação desta ilha por corsários norte-africanos ou por potências inimigas, viveu em Junho de 1666 o episódio bélico mais célebre da sua história. Nessa data, o Forte de São João Baptista foi sitiado por uma esquadra espanhola, composta por catorze naus e uma caravela, comandada por D. Diogo Ibarra. Defendida, à altura, por uma pequena guarnição, inferior a vinte homens, e contando com apenas nove peças de artilharia, esta fortificação liderada pelo cabo Avelar Pessoa, conseguiu resistir durante dois dias ao feroz bombardeamento inimigo, bem como provocar importantes baixas nas forças sitiantes, traduzidas em cerca de quinhentos mortos, uma nau afundada e duas outras fortemente danificadas, contra um morto e quatro feridos lusos. O esgotamento dos mantimentos e das munições, e a deserção de um dos soldados, que expôs a D. Diogo Ibarra a dramática situação da guarnição portuguesa, motivaram por fim a capitulação do Forte de São João Baptista.
Monumento Nacional, o Forte funciona actualmente como casa-abrigo (gerida pela Associação dos Amigos das Berlengas), brindando os hóspedes com uma oportunidade única de repouso, tendo por companhia o silêncio, apenas quebrado pelo bater das ondas e o cantar das pardelas ao final da tarde.

(EN)The Fort of St. John the Baptist, located on the island of Berlenga, was built in 1651, by order of D. John IV, and completed in 1656.
Built with the purpose of preventing the occupation of this island by North African corsairs or by enemy powers, lived in June 1666 the most famous episode of war in its history. On that date, the Fort of St. John the Baptist was besieged by a Spanish squadron, composed of fourteen naus and a caravel, commanded by D. Diogo Ibarra. Defended, at the height, by a small garrison, less than twenty men, and counting with only nine pieces of artillery, this fortification led by Corporal Avelar Pessoa, managed to resist for two days the fierce enemy bombardment, as well as to provoke important casualties in the besieged forces, translated into about five hundred dead, a sunken ship and two others heavily damaged, against one dead and four wounded Portuguese. The exhaustion of supplies and ammunition, and the desertion of one of the soldiers, who exposed to D. Diogo Ibarra the dramatic situation of the Portuguese garrison, finally motivated the capitulation of the Fort of St. John the Baptist.
A National Monument, the Fort currently functions as a shelter (managed by the Association of Friends of the Berlengas), giving guests a unique opportunity to rest, having for company the silence, only broken by the beating of the waves and the singing of the sparrows in the late afternoon.